Notícias

Após 1 ano no hospital pais descobrem que filho tinha um prego no pulmão

Um menino de 3 anos, nascido na cidade de Canavieiras, no sul da Bahia, morreu após passar um ano com um prego no pulmão. Os pais contam que levaram a criança várias vezes ao hospital, mas só descobriram o material no corpo do menino quando decidiram fazer um exame por conta própria. Depois disso, o menino foi transferido para Salvador e passou por uma cirurgia, a qual não sobreviveu.

Saiba mais: Menina de 5 anos é hospitalizada após comer algo que muitos têm em casa: ‘Absurdo demais’

No laudo médico, a causa da morte de Cauan Araújo Conceição, foi a perfuração dos dois pulmões pelo objeto, identificada como broncopneumonia. Seus pais, no entanto, acreditam que o filho morreu em decorrência de negligência no atendimento médico no Hospital Municipal de Canavieiras.

whatsapp image 2022 07 06 at 14.35.27 1
Menino morre após passar 1 ano com prego no pulmão – Foto: Reprodução/TV Santa Cruz

O casal Clarice Araújo e Cosme Conceição relatam que, em junho de 2021, perceberam que o filho havia engolido um objeto que não foi identificado. O pai então levou a criança ao Hospital e após isso, Cauan voltou várias vezes, sempre com a mesma dor. Clarice contou que com o tempo, os sintomas se tornaram mais intensos.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Canavieiras informou que, no dia 27 de junho, foram solicitados exames para a criança e que foi marcada consulta com pediatra para o dia seguinte, mas o médico passou mal, razão pela qual a consulta não ocorreu.

O depoimento também menciona que a família não havia procurado atendimento antes dessa data. Os pais do menino, no entanto, têm documentos que indicam o contrário. A pasta disse que o caso está sob investigação.

A penúltima entrada de Cauan no hospital da cidade ocorreu em 27 de junho. O médico que o atendeu disse à família que o paciente apresentava sintomas de asma. Como em momentos anteriores em que os pais levaram o menino para a unidade, não foi solicitado nenhum exame médico.

O profissional prescreveu medicação, nebulizou e liberou a criança para voltar para casa. Com o agravamento das dores do filho, Clarice e Cosme fizeram um exame de raio-x particular, no qual foi identificada a gravidade do problema dele. A família então voltou com o menino para o hospital.

No Hospital Geral do Estado (HGE), o menino passou por cirurgia para retirada do objeto. Os médicos identificaram que o material havia perfurado os dois pulmões de Cauan, que ficou dois dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) antes de morrer.

Relatório dos pais

Para Cosme, se os profissionais do hospital tivessem identificado o prego logo, talvez o menino tivesse sobrevivido.

“Nunca me deram o pedido para eu correr atrás. Mesmo que eles não pudessem fazer no hospital, me davam pelo menos o pedido para eu cuidar de meu filho em uma clínica particular. Sempre só medicamento, nunca teve solicitação de exame nenhum”, lamentou Clarice.

“Se ele ‘caçassem’ providência logo, meu filho estaria vivo aqui. Meu filho era uma parte de mim. É doído a pessoa perder um filho. Eu quero justiça para que não aconteça mais isso, para que não aconteça com outras crianças.”