Notícias

Irmã da mulher que foi menosprezada por estudante de medicina desabafa: ‘Qual é a dela?’

A dona de casa Vilma Leite disse nesta terça-feira que sua família ficou em choque ao saber dos comentários feitos por um estudante de medicina em Marechal Deodoro, no interior de Alagoas. A estudante publicou declarações jocosas nas redes sociais sobre um paciente que havia chegado a uma unidade de saúde durante a noite e, com isso, interrompeu o horário que a universidade tinha para dormir. A doente era Lenilda Silva, irmã de Vilma.

“A família está em choque, a filha dela já está vindo de São Paulo, e o filho mora aqui (em Marechal Deodoro). Eles já estão movendo uma ação com advogado.” afirmou Vilma, em entrevista à TV Pajuçara.

A irmã da dona de casa morreu na unidade de saúde. A causa da morte não foi divulgada.

O caso ocorreu na Unidade Mista Dr. José Carlos Gusmão. Na foto, que foi publicada nos stories da conta do Instagram da jovem, a estudante mostrou o nome do paciente e escreveu: “Faltando 10 min para minha hora de dormir, chega mulher infartando e com edema agudo no pulmão e agora já passou 1h30 da minha hora de dormir. Tô puta”.

No post a seguir, ela relatou a morte do paciente: “Atualizações: a mulher morreu e eu não dormi”.

“Ela não sabia que era o plantão dela? Ela não sabia que iria trabalhar à noite? Qual é a dela? É atender a pessoa direito. Se ela, como estudante de Medicina, está fazendo isso, imagina quando for uma médica. Ela vai matar muito paciente desse jeito. Porque queira ou não a culpa também é dela.” disse Vilma.

A paciente morava na zona rural de Marechal Deodoro e teve que sair de casa às pressas para dar entrada na unidade de saúde de madrugada.

“Se fosse a mãe dela, a irmã, uma tia, e sobrinha, algum parente, algum amiguinho dela, eu garanto que ela não tinha feito isso. Ela teria corrido logo para atender e chamar médico ou quem fosse que estivesse lá dentro para socorrer. É revoltante uma coisa dessa.” finalizou Vilma.

Fora do estágio

As postagens da universitária circularam em grupos de Whatsapp, nos quais a estudante foi criticada pela insensibilidade e exposição da paciente, até chegarem à direção do curso de Medicina onde está matriculada.

O Centro Universitário Cesmac publicou nota nas redes sociais em que informa que abriu processo administrativo para apurar o caso. A universidade afirmou que a aluna está no nono período do curso de Medicina da instituição e estava fazendo estágio em uma unidade de emergência.

De acordo com a nota, a jovem foi afastada de suas atividades acadêmicas na universidade e pela Secretaria de Saúde de Marechal Deodoro.