Notícias

Mulher é suspeita de matar filha de 2 meses e polícia a prende para salvar outras crianças; entenda caso

Uma mulher foi presa por policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DH-Capital) por suspeita de ter assassinado a própria filha, de apenas 2 meses. Renata Santos da Conceição foi presa nesta quinta-feira (11) após a morte da bebê no Hospital Estadual Getúlio Vargas, em Penha, Zona Norte do Rio.

A polícia foi informada pela unidade de saúde que a criança teve lesões cerebrais e teve um braço esquerdo fraturado. O corpo da inocente foi encaminhado ao Instituto Médico Legal, que também encontrou “calcificação óssea na costela”, que os especialistas disseram ser “síndrome da criança espancada”.

Após ser ouvida na delegacia e examinar a vítima, a polícia concluiu que as agressões ao bebê foram a causa de sua morte. Outra observação foi que o espancamento ocorreu dentro da casa, e que no dia dos ataques Renata estava sozinha com a filha.

Com as provas, a polícia entendeu que seria necessário proteger os outros filhos da mulher. Por isso, pediu à Justiça que prendesse Renata. Presa no DH, então a mulher seria levada para a audiência de custódia.

Mulher é presa suspeita de matar filha com deficiência

Em maio deste ano uma mulher foi presa por suspeita de matar a filha, que tinha deficiência intelectual, em Curitiba, segundo a Polícia Civil. Um mandado de prisão e um mandado de busca e apreensão foram cumpridos. O caso aconteceu no dia 5 de maio, no bairro Cajuru.

A polícia informou que o corpo de Maria Salete de Oliveira Braz apresentava queimaduras e foi encontrado em local sujo. A mãe da vítima disse à polícia que sua filha morreu porque ela caiu de uma escada. Apesar disso, a equipe encontrou sangue na parte superior da casa.

Além disso, a filha foi vítima de maus-tratos, tortura, cárcere privado e agressão, o que lhe causou a morte. As investigações indicam que a mulher é mãe de mais duas pessoas com deficiência. As duas crianças foram levadas para a delegacia para perícia.