Notícias

Pastor e mulher tiram cruelmente a vida de bebê e abandonam corpo em esgoto

O pastor e a mulher suspeita de matar e jogar o corpo de um bebê recém-nascido em um esgoto serão ouvidos em uma audiência de instrução no dia 4 de julho. Na presença do juiz, os dois devem contar suas próprias versões dos fatos. O crime ocorreu no dia 6 de novembro de 2021, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza.

Saiba mais: Assaltante manda aviso através da câmera de segurança

Na época do crime, Jamile Rolim da Silva, mãe do bebê, e Antônio José Cardoso Cunha, foram autuados em flagrante por homicídio e ocultação de cadáver. Em dezembro, o Tribunal julgou procedente a denúncia feita pelo Ministério Público como ação penal de competência do júri.

A defesa de Jamile disse que apresentará na audiência todos os fatos e provas que comprovem sua inocência. O advogado de Antônio José informou que apenas se posicionará no caso e que o suspeito não teve participação no suposto homicídio ou na indução do aborto, tendo apenas participado da ocultação do cadáver.

Golpes feitos por garfo

De acordo com as investigações, o recém-nascido, assassinado pela própria mãe, foi atingido com um garfo no pescoço, foi asfixiado e teve o corpo escondido por um dia em um móvel de uma residência em Caucaia.

A mulher tomou um abortivo e o bebê nasceu em casa com oito meses, pesando pouco mais de 3 quilos. O homem, o suposto pai, jogou o corpo do bebê em um bueiro.

local onde bebe foi encontrado
Local em que bebê foi encontrado – Foto: Leábem Monteiro/SVM

Jamile, 20 anos, teve um relacionamento amoroso com Antônio José, 36 anos. Segundo a polícia, José ajudou a esconder o cadáver na residência e, no dia seguinte ao crime, jogou o corpo do bebê em um bueiro no bairro Marechal Rondon.

Ainda segundo a Polícia Civil, Antônio José morava no primeiro andar de um imóvel com a mulher com quem era casado e, no térreo, mantinha uma igreja. Moradores da região invadiram e saquearam sua igreja e casa após a revelação do caso.

Nos fundos da residência, o suspeito tinha cômodos nos quais abrigava pessoas em situação de vulnerabilidade social. Jamile foi uma das pessoas acolhidas pelo pastor e depois passou a manter um relacionamento com ele. Jamile engravidou e, segundo a polícia, para que a esposa do pastor não soubesse do caso extraconjugal, o líder religioso sugeriu o aborto da criança.

Prisão

O pastor e a mulher foram presos em 8 de novembro. As investigações começaram depois que a Polícia Civil foi acionada com a informação de que uma mulher estava internada em um hospital com sinais de aborto. Com as investigações em andamento, a polícia conseguiu identificar os nomes dos suspeitos.

Em um vídeo postado nas redes sociais, moradores podem ser vistos retirando cadeiras, alto-falantes e outros móveis da casa do pastor. Um veículo modelo kombi pertencente a ele foi incendiado. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada e extinguiu as chamas, porém, o veículo foi destruído.