Notícias

Vítima de estupro do anestesista no Rio faz depoimento chocante e agradece apoio

A parturiente que foi estuprada pelo anestesiologista Giovanni Quintella Bezerra durante uma cesariana, no último domingo (10), foi ouvida pela Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Saiba mais: Vídeo revela momento em que anestesista é preso em flagrante por abusar de uma mulher em trabalho de parto

A mulher e o marido prestaram depoimento do lado de fora da unidade policial na tarde desta sexta-feira (15). Segundo informações da Polícia Civil, a vítima foi firme durante a audiência e agradece toda a mobilização da população.

Giovanni Quintella Bezerrajpeg
Imagem/Reprodução

Na última quinta-feira, a delegada Bárbara Lomba, chefe da Deam, disse que a vítima estava muito emocionada com toda a situação e que tanto ela quanto o bebê estavam bem.

O inquérito que apura os abusos sexuais sofridos pela mulher deve ser concluído na próxima terça-feira (19). No entanto, o médico já se tornou réu por estupro de uma pessoa vulnerável.

Todos os casos de possíveis vítimas do anestesiologista serão levantados em uma segunda investigação. Até o momento, seis mulheres se apresentaram na delegacia.

Anestesista Giovanni Quintella Bezerra02
Imagem/Reprodução

Médico anestesista virou réu

Giovanni Quintella Bezerra se tornou réu por estupro de vulnerável após denúncia do Ministério Público do Rio. Segundo os órgãos, já há provas suficientes contra o médico.

“Giovanni Quintella Bezerra, “agindo de forma livre e consciente, com vontade de satisfazer a sua lascívia, praticou atos libidinosos diversos da conjunção carnal com a vítima, parturiente impossibilitada de oferecer resistência em razão da sedação anestésica ministrada”, diz parte da denúncia.

De acordo com o juiz Luís Gustavo Vasques, da 2ª Vara Criminal de São João de Meriti, a denúncia “A esse respeito, destaco que a denúncia contém a exposição dos fatos criminosos, com todas as suas circunstâncias, a qualificação do acusado, a classificação do crime e o rol de testemunhas”.

Anestesista Giovanni Quintella Bezerra01
Imagem/Reprodução